Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Devaneios de uma morena

Um blog sobre tudo e mais alguma coisa. Um companheiro para todos os dias, a qualquer hora que seja.

devaneios do dia #1

Devaneios(1).png

Vem já desde que somos pequenos esta constante, diária e algo frenética aprendizagem sobre tudo e mais alguma coisa. Dia sim, dia sim, a vida (ou se não é a vida, a entidade responsável pelo que nos vai acontecendo… sim, porque há-de haver uma) dá-nos uma carrada de lições, umas boas, outras menos boas, por vezes terríveis.

Reagir, é a palavra de ordem. Ninguém se mexe por nós.

 

 

Dá para imaginar como seria se assim não fosse? Pobres criaturas, nós.

 

 

O reino dos básicos

Falamos imensas vezes em básicos e em como fazem imensa falta no nosso armário, dão imenso jeito, etc. Mas muitas vezes a noção de básicos difere muito de pessoa para pessoa. A meu ver, erradamente. Não me venham dizer que umas calças amarelas ou azul-bebé são básicos…

 

Os básicos são peças essenciais, simples, BÁSICAS… fundamentais no que toca a combinar com aquelas mega peças de cada estação, mais excêntricas e diferentes.

 

Deixo-vos a Basics Checklist que encontrei no site (maravilhoso) WHOWHATWEAR. Parece-me perfeita para orientar as comprinhas quando é preciso fazer um refresh no armário.

 

PS: A checklist está em inglês...

 

basics-shopping-checklist.jpg

 

Pechinchas do dia #1

Só 3 euros_.png

 

Hoje, numa visitinha muito rápida à H&M, vi uns tops super simples junto aos bikinis, na zona «praia». Um deles chamou em especial a minha atenção, pelo padrão giríssimo, tipo cobra, em tons de azul. Sim senhor, muito giro, 4.99€, barato, mas até à proxima.

Como teria de voltar no fim de ver todas as outras lojas à H&M para finalmente me decidir sobre um blazer, acabaria então por ver se levava ou não o top. 

E eis que chego à loja para aí uma hora depois e... os tops já só estão a 3€. Não resisti. Trouxe um!

 

Apesar do material ser aparentemente fraquinho, muito transparente e fino, o top fica bem vestido. Fluído, como eu gosto.

 

Esta é daquelas pechinchas que tornam uma visitinha a uma loja mais feliz!

 

Ah!... há mais cores - mas o meu é o mais giro!!!

 

 

 

A Lady Gaga vai casar... e o vestido???

ladyg.jpg

 

 Não é novidade para ninguém que a Lady Gaga está noiva. É bem mais provável que, como eu, uma grande maioria não faça ideia de quem o noivo da excêntrica cantora. Mas o que é que isso importa?

Quase que se pode antever uma festa do mais estranho, extravagante e incomum que se possa imaginar, e até umas vestimentas fora do normal, como a Gaga já nos tem vindo a habituar. Mas diga-se, em abono da verdade, que essa parafernália toda não deixa de ser engraçada e de lhe assentar que nem uma luva.

 

Entretanto, pouco sei sobre o dito casamento. Minto: já pus os olhos num título que dizia qualquer coisa como: «Lady Gaga vai casar-se numa quinta, cheia de animais à volta». Pois, não me surpreende nem um bocadinho.

 

Mas o motivo pelo qual escrevo este post é outro. Enquanto dava uma vista de olhos no site da VOGUE há uns dias, houve umas letras grandes e gordas que me chamaram a atenção: O vestido de noiva de Lady Gaga… E devo dizer: Uau!!

 

Não é nada definitivo. São simples propostas de modelos que alguns dos mais mediáticos e principais nomes da moda apresentaram para o tão afamado vestido de noiva.Todos eles desenhados com o intuito de espelhar ao máximo a personalidade de Gaga.
Feitos nos mais diversos materiais, do branco ao preto, deixo-vos alguns dos esboços.

 

E confesso que já tenho um preferido! E é precismaente o que está na primeira fotografia do post: uma criação Diane Von Furstenberg.

 

Deliciem-se com as outras propostas todas e deixem comentários. Qual é, para vocês, o mais vestido bonito e capaz de captar a personalidade da  New Queen of Pop?

 

PicMonkey Collage.jpg

 Criadores (por ordem da fotografia):

1- Alberta Ferretti

2- Alexander Wang para Balenciaga

3 - Donna Karan

4 - H&M

5- Rebecca Minkoff

 

 

 

Summer is calling

É segunda-feira...(12).png

 

Mais ou menos por esta altura, antes da chegada do verão, é inevitável não pensarmos numa data de peças de roupa, acessórios, perfumes ideais para a estação quente.

 

Pensando bem, ets minha wishlist de verão é gigantesca (demais, até), e nem faria sentido ter tantas coisas novas porque não teria sequer espaço  para por tudo (já para não falar do espírito de poupança que, ultimamente, resolvi abraçar e adotar como lema para os próximos meses).

Assim sendo, depois de refletir um bocadinho sobre as mil e uma coisas que gostava de poder ter, limitei-me a escolher 5 que realmente me dariam imenso jeito e pelas quais morro de amores.

 

Deixem os vossos comentários e partilhem o que os vossos desejos de aquisições de verão!

 

 

 

 

 

 

O fado e nós

É segunda-feira...(9).png

Um país pequenino como o nosso, desafamado por estas coisas da crise, da Troika, da austeridade, tem tesouros de valor inimaginável dos quais, muitas vezes, não nos lembramos. Ou lembramo-nos pouco. E acabamos por nos cingir aos problemas, não reconhecendo a estas mil maravilhas de Portugal o merecido valor.

 

Temos praias fenomenais, belíssimas, dignas de prémio, ideias para pano de fundo de histórias de amor. É verdade, merecem-no pela paisagem magnífica com que nos brindam, a nós, que somos «donos» delas e nem nos lembramos disso.

 

Temos a filigrana portuguesa: uma representação da cultura e tradição do nosso país, do mar, da natureza, do amor, da religião. Não consigo olhar para um coração de Viana e não ficar deslumbrada. Não consigo não morrer de amores pelos brincos de fuso.A filigrana é uma arte manual, exclusivamente manual, que exige dos artesãos muita paciência, imaginação, destreza. E é nossa… é portuguesa. E anda por aí, nas bocas do mundo, «cantando muito bem calada».

 

Temos boa gastronomia, bons vinhos. Temos bons estilistas, gente de moda em sucesso crescente. Temos atores a começar a dar cartas internacionalmente. Temos o melhor jogador de futebol do mundo. Temos ótimos atletas noutras modalidades. Temos umas quantas medalhas olímpicas. Temos

E temos o fado… que vem imediatamente à baila quando se fala em Portugal. Se não é assim, então ando muito bem enganada.

Elevado à categoria de Património Oral e Imaterial da Humanidade, pela UNESCO, só podemos estar a falar de uma maravilha, de encanto sem fim.

Mas interrogo-me sobre umas quantas coisas. Uma delas: porque é que tanta da nossa gente não o aprecia o nosso fado? Soa-me mal, isto. Soa-me errado. A mim, esta música tão nossa tem o dom de me fazer arrepiar, chorar, encher-me a alma, deixar-me triste, deixar-me feliz. Mexer comigo.

 

Mas mais tarde ou mais cedo, com o decorrer do tempo, com a crescente (e, a meu ver, benéfica) «modernização» do fado, só tende a ganhar cada vez mais amantes, ou simpatizantes apenas. Mas bem...gostos não se discutem. (LAMENTAM-SE!)

 

Fado é destino. E o destino do nosso fado está em boas mãos. Nunca esquecendo quem está para trás, nunca esquecendo a história do fado e os nomes com quem anda de braço dado, é necessário que alarguemos horizontes, que olhemos para o futuro.

Rendamo-nos a esta nova geração de fadistas que tão bem o fado defenda, que tão bem o protege, que tão bem o canta, que tão bem o toca, que tão bem o sente.

Deixemo-nos levar por nomes como Carminho, Cuca Roseta, Gisela João, Ana Moura, António Zambujo, Marco Rodrigues, Ricardo Ribeiro, e mais outros tantos e tão bons… São eles que carregam o nosso fado aos ombros, dando-lhes, evidentemente, uma nova roupagem, um outro ar mais adequado aos nossos tempos, como deve ser.

 

Ainda que o antigo seja tão belo, tão bom, é preciso andar para a frente… Ainda bem que se pode andar para a frente.

E vai haver sempre CDs, youtube, spotify para mais tarde recordar...

 

 

 

 

 

O problema do tempo

tempo.jpg

 

A falta de tempo é uma pedra no sapato. Daquelas que irritam muito. Daquelas que não podemos tirar porque naquele momento descalçar o sapatinho e abanar para a pedrinha cair não ficaria nada bem.

 

Não ter tempo é ingrato e faz aumentar os níveis de stress. E geralmente nem pedimos tempo para tudo. Só para o mais importante ou para o que precisa de mais tempo ou para o que precisa mesmo de tempo.

 

E não temos. E dizemos mal da nossa vida. Atacamos ferozmente, com palavras e mudanças de humor, tudo o que fazemos no tempo que temos, e que não queremos fazer. E repetimos milhões de vezes que melhor seria gastarmos o filho da mãe do (pouco) tempo com coisas mais úteis, mais do nosso agrado. Que assim o tempo passa a correr e ali estamos nós: a estudar, a lavar a loiça, a trabalhar, a arrumar a casa, a fazer trinta por uma linha. Tudo mau, claro. Para o bem bom, isso, não há tempo que chegue.

 

Mas de vez em quando, vindo sabe-se lá de onde, aparece-nos tempo. Q.B.? Não… Parece sempre pouco. Dizemos sempre de antemão que não vai chegar. E usamo-lo. Abusamos dele. Aproveitamo-lo bem, mas pior do que devíamos. Chegamos ao fim com vontade de voltar ao início. De ter outra vez tempo. Mas mesmo assim, descontentes com a chegada do fim, com os níveis de tempo outra vez quase no zero, acabamos sempre tão mais felizes. E é tão bom…

 

PS: Aguardo ansiosamente uns minutos para poder escrever mais qualquer coisa, e sair mais de casa, e apanhar sol… Por favor, senhor ou senhora que manda nesta coisa do tempo: lembre-se de mim.

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D