Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Devaneios de uma morena

Um blog sobre tudo e mais alguma coisa. Um companheiro para todos os dias, a qualquer hora que seja.

5 perguntas a uma amiga em erasmus

Hoje estreio este meu novo separador do blog, ao qual chamei perguntas a....

São cinco perguntas a alguém. Uma pessoa qualquer. Pode ser uma blogger de quem goste particularmente (como já fiz anteriormente) , um qualquer artista, sei lá. Pode ser tanta gente.

 

Interessa-me é saber o que vai na cabeça dessa pessoa, o que pensa, o que quer, o que não quer. Há-de ter qualquer coisa para nos contar. Há-de ser interessante. Só pode ser interessante. 

 

Hoje faço 5 perguntas a uma amiga em erasmus. 

Escolhi a minha amiga Carolina (a.k.a. Moura...porque é o apelido dela), que está a fazer erasmus em Praga. 

Fica uma mini declaração à minha amiga: Gosto muito de ti, Moura. Obrigada por aceitares fazer história no meu blog. 

 

Cá vai.

 

Boa noite, Carolina. Acho que devo tratar-te assim porque soa mais sério. (Estou a brincar...claro!) Quero começar por perguntar-te se tens saudades de casa. E já agora, em que é que consiste ter saudades de casa? 

Alô Maria Raquel! Bem, não há como não ter saudades de casa! Das pequeninas coisas. Das pessoas! É uma saudade diferente... Mais silenciosa e algo esporádica. Quero dizer: não é constante, do dia-a-dia. É uma saudade saudável, gosto de acreditar.

 

 

Viver em Praga é como imaginavas? Ou ficou aquém das expetativas? 

Praga é uma cidade maravilhosa. Atravesso todos os dias uma das muitas pontes e todos os dias penso no quão sortuda sou por poder presenciar aquela vista. Atenção: não é (nunca poderá ser) tudo um mar de rosas. Viver sozinha tem os seus quês, mas hoje posso dizer que Praga é a minha casa fora de casa e que a minha 'roomie' é sem duvida a minha segunda família.

 

 

Até agora (e não passou assim tanto tempo) o que é que retiras, de mais importante, desta nova experiência? 

Há quem diga que erasmus é uma vida. Não vou ser eu a discordar. Acho que aprendes a desenrascar-te, porque a verdade é que estás por ti. Aprendes que a tua mãe tem um trabalho do caraças todos os dias e que a comida não cai pronta na mesa. Aprendes a recomeçar porque quando chegas cá não tens rigorosamente nada: moldas de novo a tua mentalidade. Mais do que «vida louca», apercebes-te de que, se quiseres, tens o mundo aos teus pés. Para uma coimbrinha de raiz, ter essa noção é inacreditavelmente satisfatório.

 

 

Podes ser sincera: em termos de simpatia, ganham os portugas ou os lá de fora? Quem são os mais macambúzios? 

Bem, a verdade é que em erasmus é difícil encontrares alguém manifestamente antipático. O espírito é outro: é um conjunto de pessoas voltadas para conhecer pessoas. Claro que vês um bocadinho de casa nos portugueses e te identificas com eles... Na generalidade a simpatia é a mesma. A minha única queixa vai para os checos. Esses são mesmo macambúzios.

 

 

Por último... peço-te que faças um apanhado dos melhores sítios que visitaste, pela Europa, desde que foste embora. Pode ser que convenças uns quantos leitores a seguir-te os passos (e a mim também!). 

Essa é mesmo a melhor parte de toda esta experiência. Viena, a cidade mais imponente que visitei até hoje. É totalmente imperial. Budapeste, simplesmente colossal, é sem duvida um destino que teria escolhido para o meu Erasmus. Na Bélgica: Bruges e Ghent são absolutamente soberbas. Guardo uma ânsia enorme por conhecer mais do que já conheci e tenho a sorte de a cada fim-de semana poder fazê-lo. Porque há vícios e vícios, mas viajar é o melhor deles!

 

 Esta é a minha amiga Carolina, a pavonear-se por terras belgas. 

 

 

 

 

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D