Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Devaneios de uma morena

Um blog sobre tudo e mais alguma coisa. Um companheiro para todos os dias, a qualquer hora que seja.

Descobertas pré-vinte!

Aos dezanove anos uma pessoa viveu ainda muito pouco, apesar de já parecer imenso. Ainda há tanto por descobrir, que assusta. Uma pessoa ainda há-de bater mil e quinhentas vezes com a cabeça na parede, dar de caras com outros tantos obstáculos, fazer umas proezas e ser bem-sucedida de vez em quando. Hão-de vir dias felizes, dias horríveis, choradeira, risos, gargalhadas, de silêncio.

 

Mas há coisas que são perfeitamente suscetíveis de serem descobertas e compreendidas por esta altura.

 

Sabemos, desde cedo, que a família tem um valor enorme, mas muitas vezes demoramos (enquanto jovens naturalmente ingénuos) algum tempo até sermos capazes de lho reconhecer verdadeiramente (falo por mim). O pai e a mãe vão ser uns chatos até bem para lá dos dezanove, parece-me. Mas há uma altura em que são só, apenas, chatos, e não passa disso. Mas eles são nossos companheiros, são amigos, não são só pais. E foi por esta altura que me apercebi mais e melhor disso.

 

Depois há os amigos propriamente ditos. Aquelas criaturazinhas com quem apetece sair à noite, fazer grandes jantaradas, passar férias, encontrar na rua quando já não se lhes põe a vista em cima ao tempo. Há o desejo de os conseguir manter até daqui a setenta anos, sem chatices, sem confusões… Afinal isso ficou no sétimo ano, ou havia de ter ficado. Mas o choque de ideias, de perspetivas e de opiniões vai haver sempre. Preparemo-nos.  

 

E por fim vem aquilo que, para muitos e muitas, é do pior que há, quase que faz mal à saúde: os namorados. Mas para mim não é nada assim, ou talvez deva dizer que AGORA já não é assim.Ter o meu namorado foi das melhores coisas que já me aconteceu.  E quando eu digo «o meu», há-de haver milhares de outras mulheres por aí que fazem da minha frase, sua.

 

Ter namorado não faz mal à saúde, não faz alergia a quem quer que seja… Gostamos de estar sozinhos (ou achamos que gostamos), sim, mas isso até se descobrir «the right kind of love». Aí o caso muda de figura. 

E aos dezanove, ainda verdinha para o que está para vir, acho que descobri. E não terei sido só eu.

 

Se me faz feliz? Do mais feliz que pode haver...

 

Beijinhos,

Raquel

 

 

tumblr_n316zvXbIr1qzzc2po1_1280.jpg

 

 

 

 

3 comentários

Comentar post

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D